5 formas de aumentar a vida útil do sistema de escapamento do carro

A falta de manutenção do sistema de exaustão do automóvel pode causar ruídos excessivos, aumentando, assim, o consumo de combustível. Corrosões na lataria também são comuns, assim como a quantidade de poluentes lançados no meio ambiente através do escapamento do carro.

Por isso, a utilizar peças de qualidade e realizar a manutenção constante no automóvel, o motorista tem muito mais chances de prolongar a vida útil do sistema de escapamento.  Uma peça em boas condições ajuda o sistema de exaustão a direcionar os gases para a parte traseira do veículo, atenuando o nível de ruído do motor e transformando os gases nocivos em menos poluentes.

No Brasil, a maioria dos sistemas de escapamento são formandos pelas seguintes partes: coletor, catalisador, silenciador intermediário e silenciador traseiro. Com simples dicas você conseguirá manter todo o sistema em perfeito estado, garantindo segurança e economia.

Dicas para ajudar a melhorar o sistema de escapamento do carro

1.      Abasteça com combustível confiável

Abastecer o veículo em postos de combustível confiáveis garante que você não estará recebendo um produto adulterado. O combustível adulterado pode causar grandes problemas para o sistema de escapamento. Isso porque os solventes que muitas vezes são misturados à gasolina, ou água colocada no álcool, ajudam a corroer as peças metálicas do escapamento.

2.      Tenha uma boa direção

Ter atenção redobrada em estradas, ruas e avenidas pode ajudar a manter o bom funcionamento do sistema de escapamento do seu carro. Isso porque muitas vezes algumas peças do sistema são danificadas pelo forte impacto em um quebra-molas ou buracos. Um simples trincado pode evoluir para uma rachadura maior, comprometendo as partes metálicas.

3.      Evite deixar o carro na garagem

Automóveis que são pouco utilizados ou que passam mais tempo na garagem têm mais chances de ter os silenciadores danificados mais rápido. Isso ocorre devido à inércia do veículo, que causa o acúmulo de umidade no sistema. Normalmente, essa umidade é eliminada pelo aquecimento do motor, o que não acontece quando o carro anda pouco ou não anda.

4.      Só instale peças originais

Ao colocar uma nova peça, escolha sempre as originais e de marcas conhecidas pelas montadoras. Nunca faça adaptações. A colocação de um silenciador errado ou qualquer mudança no curso do sistema de exaustão pode danificar outras peças que estão em boas condições.

5.      Nunca se esqueça da manutenção

Velas, filtros e o sistema de injeção devem estar em bom funcionamento para não prejudicarem o sistema de exaustão do carro.  Esses componentes devem ser revisados e trocados conforme a orientação de cada montadora.
Com todas essas dicas fica bem mais fácil conseguir aumentar a vida útil do sistema de escapamento do seu carro, certo? Para conferir mais instruções dos nossos especialistas, acesse nossa página do facebook!

Regras para recurso de multa de trânsito sofrem mudanças feita pelo CONTRAN

Se você deseja recorrer de alguma multa recente, fique atento aos prazos. A partir de agora, o Contran – Conselho Nacional de Trânsito passou a padronizar as regras de apresentação de defesa dos recursos em 1ª e 2ª instâncias.

A mudança altera os prazos, passando a valer a data em que o condutor protocolou o recurso no correio ou no órgão de trânsito e não mais apenas o prazo de recebimento, como era feito antes.

O motorista pode entrar com recursos apenas até 30 dias após ser notificado. Os recursos e defesas poderão ser feitas eletronicamente, desde que o serviço esteja disponível pelo órgão ou entidade de trânsito.

A Junta Administrativa de Recursos e Infrações é quem analisa os recursos em 1ª instância e, caso não sejam aceitos, o motorista pode recorrer ao Conselho Estadual de Trânsito na 2ª instância.

Confira alguns comportamentos no trânsito que podem gerar multa

 

Usar o celular no volante

Apesar de não ser raro ver alguém agindo dessa forma, usar o celular enquanto dirige é uma infração média e rende multa.

Ultrapassar o sinal vermelho

Quando o sinal está amarelo, a indicação é diminuir a velocidade e parar. Entretanto, muita gente acaba furando o sinal vermelho. Essa é uma infração grave e perigosa para a vida dos pedestres e de quem está dentro do automóvel.

Não usar cinto de segurança

Andar sem o cinto de segurança também é uma infração grave. Sua multa é multiplicada pelo número de pessoas que também estiverem dentro do carro sem o equipamento de segurança.

Licenciamento vencido

Transitar com o veículo possuindo o licenciamento vencido é infração gravíssima, rende uma multa de R$ 191,54 e a perda de sete pontos na certeira. Além disso, quem for pego com o documento vencido também terá seu carro apreendido.

Não respeitar o pedestre

Não dar a preferência para o pedestre é infração grave. O Código Brasileiro de Trânsito prevê o direito do pedestre quando está transitando.

Evite infrações de trânsito e fique livre das multas!

10 Itens de segurança do veículo e suas principais funções

Os automóveis brasileiros e os importados que são veiculados no Brasil são fabricados no com 10 itens de segurança obrigatórios. Dirigir um automóvel que não possui a listagem completa dos itens pode gerar multas, perda de pontos na carteira de habilitação, apreensão no veículo (em alguns casos) e perda de segurança para o motorista e todos que estão no carro.

Confira abaixo quais são os principais itens de segurança e qual a importância de cada um:

  1. Pneus: Parte essencial para o carro e para a segurança de todos, o pneu deve ser trocado sempre que o desgaste atinja a marca do TWI. Isso indica que o pneu está impossibilitado para uso e representa perigo.
  2. Luzes: Lanternas de freio e emergência, setas e luzes de ré precisam estar funcionando corretamente para que o veículo seja conduzido em total segurança.
  3. Cinto de segurança: todos os ocupantes do veículo devem estar com os cintos de segurança devidamente colocados. Esse é um item básico e essencial para a segurança.
  4. Buzina: Usada somente em situações de alerta de perigo, a buzina é um item essencial para o carro e deve estar em perfeito funcionamento.
  5. Espelhos: Tanto os retrovisores externos quanto o interno são de extrema importância para a segurança do motorista e dos ocupantes do veículo. Caso eles se quebrem, é preciso trocá-los o quanto antes.
  6. Estepe: Assim como os demais pneus do carro, o estepe deve estar sempre calibrado e balanceado. Ele é usado como pneu reserva caso algum imprevisto ocorra com algum dos pneus dianteiros ou traseiros
  7. Freios: O freio de mão é indispensável para o veículo quando ele está estacionado, principalmente em locais íngremes, evitando que o carro deslize. Desde 2014 todos os carros fabricados no Brasil precisam conter Freios ABS
  8. Airbag: Assim como os freios ABS, o airbag duplo dianteiro se tornou um item de segurança de série desde 2014. Sua função é proteger os ocupantes do carro em caso de colisão, liberando bolsas de ar que amortecem o impacto.
  9. Limpador de para-brisa: Indispensável em caso de chuva, o limpador de para-brisa tem a função de retirar sujeiras e demais fluídos do para-brisa. Ele precisa estar em perfeita condição de uso para garantir a segurança em dias chuvosos.
  10. Ferramentas: Todo carro precisa conter um kit de ferramentas de segurança. Ele deve conter: estepe, macaco, chave de roda e um triângulo de sinalização. Os equipamentos devem estar em perfeito estado de conservação e funcionamento.

Itens de segurança opcionais:

Extintor de incêndio:

A obrigatoriedade do uso de extintores de incêndio ABC nos automóveis vem sendo discutida desde 2015, mas, atualmente, seu uso é facultativo.

Controle eletrônico de estabilidade

Conhecido pelas siglas ESP (programa eletrônico de estabilidade) ou ESC (controle eletrônico de estabilidade), sua principal função é a de evitar que o veículo derrape em curvas ou desvios de trajetória, evitando que o motorista perca o controle do veículo. Este é um item extremamente importante em veículos com centro de gravidade mais elevado, como os utilitários esportivos.

Encosto de cabeça

Apesar de ser uma peça relativamente simples, os encostos de cabeça não estão presentes em todos os modelos de automóveis (principalmente na posição central do assento traseiro).  Esse item é importante em caso de colisões, evitando o efeito chicote, que pode projetar a cabeça do passageiro para trás, provocando lesões na coluna.

Você acredita que algum outro acessório do carro deveria se transformar em um item de segurança? Conte para gente nos comentários!

Para mais dicas como essa, acesse o nosso Facebook ou nos faça uma visita. Esperamos por você!

6 dicas de segurança para o transporte de pets no carro

Muitas famílias possuem bichinhos de estimação, mas na hora das viagens ou passeios, ficam sem saber o que fazer com os pets. Levá-los juntos no pode ser uma boa opção, mas você deve ficar atento a algumas regras sobre o transporte de pets no carro.

Segundo a lei, não existe uma regulamentação taxativa sobre como deve ser o transporte dos animais no carro, mas o Código de Trânsito Brasileiro ressalta que é proibido transportar pets nas partes externas do veículo ou no colo do motorista.  Além disso, também não é indicado que os pets fiquem circulando pelo carro.

Se você ainda tem dúvida sobre a melhor forma para o transporte do seu pet no carro, confira nossas dicas!

  1. Coloque o animal de estimação em uma cadeira de transporte, própria para isso. Ela é presa através do cinto de segurança e impede que o animal seja projetado dentro da cabina em casos de colisão;
  2. Use o cinto de segurança de forma adaptada. Você pode fazer isso ao usar uma coleira engatada no fecho de um dos cintos do banco de trás. Para que essa técnica seja segura e confortável para o pet, é preciso que o cinto/coleira sejam presos de forma adequada e ajustados a uma distância segura. Além disso, é indicado o uso de uma coleira peitoral resistente e apropriada, ao invés das coleiras convencionais;
  3. Animais de pequeno e médio porte também podem ser carregados nos veículos através de caixas de transportes desenvolvidas especialmente para esse tipo de situação. Elas são ventiladas, permitindo que o pet respire e se sinta confortável;
  4. Já para animais de grande porte, uma boa saída pode ser usar grades de contenção que podem ser instaladas na caçamba de pick-ups ou entre o banco traseiro e a tampa do porta-malas (ideias para carro como peruas, hatches e Kombis);
  5. Em trajetos mais longos, o ideal é o que animal viaje em ambientes ventilados e sem estar de barriga cheia (para evitar o enjoo do pet). Além disso, é preciso realizar paradas regulares a cada duas ou três horas, para que o animal possa fazer suas necessidades fisiológicas e se alimentar;
  6. Para finalizar, antes de grandes viagens, leve seu pet a um veterinário para conferir se está tudo bem com ele.

    Seguindo essas simples dicas você poderá passar ótimos momentos com seus bichinhos em suas viagens! Gostou de saber essas dicas de transporte de pets no carro? Então compartilhe com seus amigos que adoram viajar com seus animais de estimação!

    Para mais dicas, acesse o nosso Facebook ou nos faça uma visita!
    Avenida Itamar Franco, 2828 – São Mateus.

Você sabe qual a diferença entre alinhamento e balanceamento?

Essenciais para a segurança do automóvel, muitas pessoas ainda confundem qual a função específica do alinhamento e balanceamento. Mas a gente te explica: se você sente que o carro está puxando para a direita ou para a esquerda quando libera o volante em um curto período de tempo, significa que é preciso verificar o alinhamento do automóvel.

A verificação do balanceamento é necessária quando o volante está vibrando ou apresenta barulhos em determinadas velocidades. Ficou mais fácil agora?  Então veja porque é importante fazer o alinhamento e balanceamento do seu carro.

Alinhamento:

Quando você faz o alinhamento do seu carro está prevenindo: o desgaste irregular dos pneus, aumentando, assim, a vida útil dos mesmos; aumentando o atrito dos pneus no solo, contribuindo para a economia de combustível  e evitando o deslocamento do veículo, melhorando assim a dirigibilidade e segurança de todos.

O alinhamento do carro pode ser comprometido devido ao choque do pneu em uma calçada, ou mesmo por passar em buracos na pista, além de acidentes mais graves, como colisões. Quando o veículo fica desalinhado, as bordas dos pneus se desgastam mais rapidamente, comprometendo, assim, a função do veículo.

Você deve realizar o alinhamento dos pneus sempre que:

  • Fizer revisões periódicas estipuladas pelo fabricante do veículo;
  • Após impactos (de menor ou maior gravidade);
  • Quando houver substituição de algum elemento da suspensão ou direção;
  • Ao notar algum comportamento estranho do veículo, tendendo a ir mais
    para um lado ou com dificuldade de se manter na trajetória;
  • Quando forem verificados desgastes irregulares nos pneus;
  • Sempre que trocar os pneus.

Balanceamento:

Quando você opta por não fazer o balanceamento do seu veículo, quando o procedimento é mal feito ou você se esquece de fazê-lo, surgem vibrações no volante, no piso do carro, no painel de instrumentos e até mesmo nos assentos, mesmo estando em baixa ou alta velocidade.  Fazer o balanceamento nas quatro rodas é essencial para o conforto na condução e para o bom desempenho dos pneus.

Você deve realizar o balanceamento do veículo quando:

  • Os pneus sofrerem colisões ou fortes atritos, pois ficam mais desgastados de um lado;
  • Ao sentir trepidações na carroceria, onde a possível causa é o desbalanceamento das rodas traseiras;
  • Ao sentir trepidações na direção, provavelmente causadas pelo desbalanceamento das rodas dianteiras;

Agora que você já sabe quais as principais diferenças entre o alinhamento e o balanceamento, é importante ficar atento aos sinais que o seu automóvel apresenta. E se precisar de uma mãozinha, é só procurar a Jacar Pneus!

Embreagem e freio: 4 boas dicas para evitar o desgaste e acidentes

Se você anda ouvindo barulhos estranhos quando pisa no pedal, ou sente que eles estão duros ou tremendo quando freia, é quase certo que o seu carro está com algum problema na embreagem e freio.

A embreagem é a peça responsável por fazer a ligação entre o motoro, o câmbio e os demais componente dos veículos. Ela é formada por três peças principais: o rolamento, o platô e o disco. É indicado que ela seja trocada a cada 50 mil km rodados, porque o seu uso constante causa grande desgaste.

E para saber como preservar o freio e embreagem do seu carro, separamos quatro ótimas dicas. Confira!

Cuidados com a embreagem e freio

1-Não pise na embreagem se não houver necessidade. Essa prática afasta o platô do disco, causando o seu lixamento. Isso significa que forçar a embreagem quando não é preciso causa o desgaste acelerado das peças e superaquece todo o sistema do automóvel.

2- Cuide adequadamente do fluido de freio. Pouca gente dá atenção a esse item, que na verdade é fundamental para o bom funcionamento do sistema de freios. O fluido é importante porque transfere força às pastilhas, permitindo assim que o carro pare. Mas o uso prolongado dos freios faz com que o fluido seja gradualmente contaminado pelas degradações naturais, passando a ferver mais facilmente e apresentando um desempenho inferior. É recomendando seguir as especificações do manual do carro para a troca. Caso não haja essa informação, indica-se a troca a cada 12 meses ou 15 km rodados.

3- Evite a queima da embreagem. Você já deve ter ouvido falar de motoristas que queimaram a embreagem, certo? Isso nada mais é do que a aceleração em demasia, sem soltar a embreagem o suficiente. Quando isso acontece, a rotação do motor se eleva, tornando nítido o cheio de queimado logo em seguida, causado pela fricção excessiva dos componentes. Além disso, queimar a embreagem pode acabar com o sistema de embreagem muito rápido.

4- Frear em curvas pode desgastar o seu freio. Se o comando de frenagem for dado de forma abrupta, ainda há o risco de os pneus perderem a aderência no asfalto, o que certamente jogará seu carro para fora da faixa de rolamento. Além da chance de sofrer um grave acidente, o motorista estará reduzindo a vida útil do freio desnecessariamente. O ideal é se antecipar, freando suavemente ainda na reta para contornar a curva sem precisar pisar nos freios. Procure angular bem o volante e reduzir gradualmente a velocidade para seguir com tranquilidade.

Parte fundamental da direção, o freio e a embreagem merecem uma atenção especial do motorista para evitar o desgaste e prevenir acidentes. Se você quer mais dicas como essa, acesse o nosso Facebook, canal do Youtube ou nos faça uma visita. Esperamos por você!